Página Inicial Fale Conosco Assine o Paraná Centro
Publicidade

02/01/2017

Polícia Civil de Ivaiporã abre inquérito sobre assassinato de Ariane Santos, e investiga motivação do crime

Texto/Fotos Lúcia Lima

Polícia Militar isola área à espera do IML de Ivaiporã

Ariane Paula Jacinty dos Santos

Ariane Paula Jacinty dos Santos

O delegado da 54ª Delegacia de Polícia Civil de Ivaiporã, Gustavo Dante, instaurou inquérito policial e investiga o que levou o suspeito Izael Ianischi a supostamente matar Ariane Paula Jacinty dos Santos, 23 anos, no domingo, dia 25 de dezembro, na Rua Alfenas, número 20, em Ivaiporã. Segundo Gustavo Dante, algumas testemunhas foram ouvidas e, esta semana, espera concluir o inquérito.

Ariane Santos foi assassinada no Bar do Marinaldo, por volta das 22h00 do domingo, dia 25 de dezembro. O caso foi acompanhado pela Polícia Militar e Polícia Civil. O investigador Márcio Barbosa esteve na cena do crime e colheu dados do homicídio e da tentativa de homicídio.
Além da vítima fatal, foi baleada Luciana de Oliveira Alves, 26 anos, que foi atendida pelo Corpo de Bombeiros de Ivaiporã e encaminhada para o Hospital e Maternidade Ivaiporã (HMI) com uma bala alojada no abdômen.

Na sexta-feira, dia 30 de dezembro, o Paraná Centro entrou em contato com o HMI e foi informado que Luciana Alves encontra-se bem na enfermaria e sem risco de morte.
Modus operandi

No dia 25 de dezembro, o Paraná Centro conversou com Marinaldo Morais, que é dono do estabelecimento comercial onde aconteceu o crime. “O Izael Ianischi parou o carro – Gol [bola branco]. Em seguida, se aproximou um motociclista que estava com um garupa. Nesse momento, Izael Ianischi desceu do carro, atirando nas costas de Ariane Santos, que tinha acabado de chegar. Ele deu pelo menos 3 disparos. Depois, inverteram – ele saiu na moto, e os dois homens fugiram no carro de Izael Ianischi”, contou Marinaldo Morais.

Segundo colegas da vítima, Ariane Santos saiu para buscar drogas a pedido do suspeito. Mas não retornou com a encomenda. “Por isso, ele matou a Ariane Santos, e baleou a minha cunhada [Luciana Alves], que não tinha nada a ver com a história. Estava apenas comendo churrasco sentada na calçada”, disse Marinaldo Morais.

O tio de Ariane Santos, que chegou após o crime, contou que estava com a vítima momentos antes, no Bar do Marinho, e se mostrou incrédulo com a situação. O pai da vítima também esteve no Bar do Marinaldo, quando o Instituto Médico Legal (IML) de Ivaiporã retirou o corpo, e passou mal. Ele recebeu atendimento do Corpo do Bombeiros, que também tentou acalmá-lo.

Segundo a Polícia Civil, Izael Ianischi tem passagem pela polícia e, no início do ano, deixou a carceragem da 54ª Delegacia de Polícia Civil, onde estava preso por roubo.





< Voltar





Mais Lidas








Grupo 



 Página principal